Correio de Caria

CED – uma alternativa ao envenenamento ou abate de animais errantes

Torna-se numa das maiores preocupações da atualidade, a organização do espaço urbano e das comunidades humanas, com a gestão das necessidades com os animais domésticos e de companhia, assim como as dos animais errantes, que seja porque motivos forem ficam fora do acompanhamento humano, se reproduzem, organizam em colónias e se tornam em autênticos perigos para o bem estar e para a saúde publica.

Numa visão tradicional a solução era a captura para canis ou gatis municipais e posteriores abates, outra opção era o envenenamento, em tempos chegou a haver funcionários municipais e Belmonte não foi excepção, onde ficou mesmo a alcunha de “o fulano da pastilha”, precisamente por ter a tarefa municipal de espalhar pastilhas venenosas onde circulavam os animais errantes.

Tanto pelas novas leis de proteção dos animais, como por uma nova conscientização humana e ecológica, surgem novos conceitos e novas metodologias de lidar com este problema, uma delas o CED – Capturar – Esterilizar e Devolver, que consiste em capturar os animais de colónias, os esterilizar e os devolver, ao seu ambiente, mas sem riscos de continuidade na propagação.

A junta de freguesia de Caria acaba de aderir a este novo conceito, está a preparar um protocolo com entidades para esta prática e vai promover no dia 23 de abril uma sessão (worshop) sobre esta matéria. A participação é gratuita mas carece de inscrião prévia na Junta de Freguesia ou Gabinete de Apoio ao Agricultor.

Ficam para já alguns conceitos:

  O que é o CED?

Capturar-Esterilizar-Devolver (CED) é um método humano e eficaz de controlo de colónias de gatos e de redução das populações felinas silvestres. O processo envolve a captura dos gatos de uma colónia, a sua esterilização, um pequeno corte na orelha esquerda para fins de identificação, desparasitação e, por fim, a devolução dos animais ao seu território de origem, onde são alimentados e protegidos por um cuidador. Sempre que possível, os animais adultos dóceis e as crias que ainda estejam em idade de socialização são retirados das colónias e encaminhados para adopção.

Vantagens

  • Menos gatos silvestres e vadios em toda a comunidade;
  • Menos abates;
  • Menos queixas aos serviços municipais;
  • Maior cooperação dos cuidadores;
  • Mobilização de acções de voluntariado;
  • Redução de custos;
  • Relações Públicas vantajosas para os serviços municipais
  • Não haverá mais ninhadas, e a população de gatos irá diminuir com o tempo;
  • Redução drástica do barulho;
  • O cheiro torna-se muito menos intenso;
  • Mantém-se o controlo de roedores;
  • Uma colónia mais saudável e menos visível;
  • Exclusão do factor pena/tristeza;
  • A presença de um cuidador;
  • Evita a criação de uma outra colónia, e não esterilizada

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *