Correio de Caria

Fonte soldado – água mole em pedra dura

Há cerca pouco mais de um ano, num jornal que aqui dirigi, recebi uma carta do Sr Dr. Manuel Marques, a levantar o problema da “fonte soldado”  como importante vestígio romano, de interesse público e sempre no seu domínio, havia sido usurpado para uma propriedade particular, com risco de se vandalizar e perder.

Várias são as versões que se apontam para esta obra “Celto-Romana”, desde a lenda que se descreve abaixo enviada pelo Dr. Manuel Marques, à probabilidade de próximo da fonte ser o posto de um soldado romano que assegurava a vigilância da Estrada Romana cujo trilho também era muito próximo.

Segundo conseguimos apurar o achado ali resistiu à força dos tempos e ao passar dos séculos, sempre no domínio publico. Foi objeto de apreço por estudiosos e investigadores, mereceu visitas de estudo e podia (devia) ser integrado num roteiro, sobre o património romano na região. A propriedade que a envolve, veio por permuta de acolhimento dos proprietários a ser doada à Santa Casa da Misericórdia e terá sido vendida por esta instituição a um proprietário que a vedou com a sua propriedade e assim (selou) a Fonte Soldado. 

Para além de pároco mais de 50 anos em Belmonte, o Dr Manuel Marques foi professor, Fundador da primeira escola em Belmonte, responsável pela criação de uma cooperativa e uma fábrica de confeção industrial e um dos mais estudiosos sobre a história, as tradições e o património do concelho de Belmonte

Mesmo que fosse apenas pela autoridade e respeito que a personagem “Manuel Marques” representa em e para Belmonte, devia o assunto pelo menos ser apreciado e discutido. Porém desde essa ocasião e até hoje, nem nos órgãos autárquicos: Sessões de Câmara, reuniões de Junta, Assembleia Municipais, Assembleias de Freguesia, ninguém se colou a este assunto e viu nele interesse público a defender; Na entidade do Jornal que dirigi cheguei a sugerir um abaixo assinado para esta defesa, mas se fosse erguer uma estátua…, ou homenagear alguém…; Noutras abordagens mais recentes se tem visto o mesmo encolher de ombros…

Como à semelhança de muitas outras coisas, a “água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”, e fica mais esta achega que com o apoio do Dr Manuel Marques aqui deixamos para “memória futura”, prometendo que o Correio de Caria, voltará ao assunto todas as vezes que for necessário.

Jorge Henriques Santos

Meu caro Jorge Henriques Santos:

Mando foto de que falei e o que está escrito no verso para referência: «Fonte Soldado / Celto-Romana / Belmonte / Verão 2003 /Visita de Estudo / Curso Guias / Turísticos».. Posso acrescentar que este curso foi um dos que se fez em Belmonte por esse tempo. Há em Belmonte uma lenda sobre esta fonte que não sei se já a escrevi nalgum lado. É lenda, mas é mais ou menos assim: Havia no castelo de Belmonte uma fidalga que, na ausência do marido, tomou o encargo da governação do castelo. Um soldado enamorou-se dela e tentou seduzi-la. A fidalga mandou-o matar. O corpo do soldado foi ter à Fonte que se chama, ainda hoje, Fonte Soldado e a cabeça foi parar em cima de uma laje que ainda se chama Laje da Fidalga. Há na verdade a Laje da Fidalga em Belmonte…

A água mole da Fonte Soldado corre, há séculos, saltando da pedra dura, para todos. Assim, teimosamente, tem que se reaver das mãos que dela se querem apossar indevidamente.

Manuel Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *