Correio de Caria

O Mundo do Desporto

Luís Abreu
Técnico de Desporto
Penamacor

Num momento de encruzilhada moral e ética, no Mundo e na Europa, é procurado, desesperadamente, motivos para que todos se mantenham unidos e em sintonia.
As profundas e graves crises pelo qual o Mundo atravessa e é constantemente sobrecarregado – racismo, xenófobia, ambientais, geográficas, políticas, sociais, económicas, financeiras, migratórias e sanitárias – obrigam a olhar para o passado na tentiva de perceber o paradoxo europeu e mundial, entre a eterna tentação de cada país seguir o seu caminho e a busca desesperada por soluções eficazes. Guerras, fracturas ideológicas, conflitos culturais e étnicos, modos diferentes de entender o ritmo da vida, tudo parece afastar, mais do que unir, os povos que compõem o puzzle do Velho Continente e á escala mundial. Talvez tenham razão. Muitas vezes parece que só existe realmente um espaço emocional que é capaz de unir todos à volta do mesmo sonho, da mesma quimera. Uma dimensão quase paralela, onde toda a raiva e frustração se transformam em estados de espíritos colectivos.
Só o Desporto, com toda a sua complexidade, tem forjado um ritual de união e ajuda entre os europeus e os restantes povos do mundo. Mais do que colocar em confronto países e cidades, as suas gentes e as suas bandeiras, as competições europeias e mundiais de selecções bem como de clubes, nas mais diversas modalidades, com mais de um século de existência, têm mostrado aos políticos e aos estudiosos que é possível a cooperação, a entreajuda, o fair-play e o desenvolvimento, apesar da competitividade.
Vive-se, nas sociedades modernas, um período abrupto de constantes mudanças na maioria dos sectores nas suas estruturas sociais e o sector do Desporto não foge a esta situação, quer pelo grande significado para com a generalidade das populações, quer em virtude dos inúmeros interesses que se movem em seu redor e que, simultaneamente, o fazem mover. Sendo assim, tornou-se num dos assuntos actuais mais discutidos e, por vezes, polémicos, nos seus mais variados níveis.
O desporto é o fenómeno com maior impacto social à escala global.
Se o desporto, enquanto factor social vivido e sentido pela multidão, tem uma longa história no século XX, associado directamente ao surgimento de um tempo de lazer e em concreto à experiência do fim-de-semana, o desporto enquanto espectáculo tem, nos meios de comunicação social, em especial na televisão, o seu grande operador. É com a televisão que se constitui um mercado publicitário no desporto e as consequências deste dois factos na história do desporto são enormes. O facto de o desporto ser um fenómeno querido a milhões, fez dele um objecto preferencial dos discursos produzidos, seja o discurso televisivo, seja o discurso publicitário. Tornar o adepto em espectador e em consumidor, fazendo dos jogos das várias modalidades desportivas uma mercadoria e um objecto transaccionável, foi possível num contexto económico de transformação da comercialização.
Ir ao desporto enquanto acto cultural aproxima-se, de algum modo, o simbolismo de uma ida a um outro espectáculo artístico de alta cultura como o teatro, o cinema ou o bailado.
Assistiu-se a uma verdadeira revolução neste sector, nos seus dogmas e nas suas rotinas, assumindo no seu quadro actual mais perspectivas de pujante afirmação cultural, artística, educativa e recreativa, sem esqueçer que está ligado a um profícuo campo de actividade profissional. Significa que o Desporto rompeu de forma decisiva com muitas proclamações e posições ideológicas que o vincularam ao longo dos anos, emergindo hoje uma nova perspectiva, na qual se esboçam claras linhas de interdisciplinariedade e onde os conhecimentos de diferentes ciências se conjugam em análises, prescrições, técnicas e metodologias carregadas de originalidade, afinal consumadas numa ampla área científica, a das Ciências do Desporto.
Se é importante o uso da inteligência e da mente no desporto, para se alcançar determinadas áreas, nomeadamente no sucesso desportivo, não deixa de ser menos relevante o papel que a formação dos mais diversos agentes desportivos, que estão ligados de forma directa ou indirecta ao mundo do desporto, pode desempenhar no desporto, ao nível do desenvolvimento e no futuro.
O desporto não pode ser mais um campo onde a formação, no geral ou específica, seja vista como supérfula, como intrusa, como dispensável, sendo mesmo combatida, rejeitada e esquecida.
Há uma consciência colectiva que defende a formação desportiva, nos mais variados níveis e campos, como uma das mais importantes vias para o crescimento, desenvolvimento e sucesso.

Em próximas edições iremos desenvolver cada um destes conceitos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *